top of page
  • Foto do escritorJornal do Juvevê

O homem e o trabalho


A relação do homem com o trabalho é bastante antiga, remonta a um período histórico onde sua sobrevivência dependia basicamente da habilidade nas caçadas. Tanto homens como mulheres coletavam o que a natureza lhes oferecia e na vida nômade que desfrutavam, não havia necessidade de acumular itens, pois em caso de mudança não seriam capazes de carregar tais pertences.

Por mais absurdo que seja, o trabalho escravo também já fez parte da realidade humana, sendo a força de trabalho pertencente a outro homem, em um período onde seres humanos eram negociados, tal qual mercadorias.

A segunda metade do século XVIII, marcada pela Revolução Industrial, trouxe expressivas transformações na vida dos trabalhadores, com a intensa exploração da força de trabalho, tanto de homens, como mulheres e até mesmo crianças.

Um processo histórico importante, que levou à substituição das ferramentas pelas máquinas, da energia humana pela energia motriz e do modo de produção doméstico ou artesanal pela produção em grande escala.

Esse período é retratado com brilhantismo na obra Tempos Modernos de 1936, filme idealizado por Charles Chaplin, um clássico do cinema.


O trabalho e a tecnologia

Após essa breve incursão pela história, eu proponho pensarmos sobre o trabalho nos dias de hoje, com mudanças tão significativas, ocorridas inclusive após a pandemia que assolou o mundo.

A eliminação das barreiras físicas é um dos grandes avanços que a tecnologia trouxe, pois pode-se exercer trabalho remotamente de qualquer lugar do mundo, fato este que possibilita inclusive a contratação de pessoas independentemente da localização geográfica.

Na profissão de Psicólogo, por exemplo, a tecnologia nos permite atender pacientes de outras localidades, como também buscar aperfeiçoamento em cursos até mesmo em outros países.

Quanto aos empregos, a tecnologia ameaça extinguir profissões que os robôs controlados por Inteligência Artificial - IA podem exercer.

No entanto, segundo estudo encomendado por Dell Technologies ao The Future Institute (IFTF) nos informa que cerca de 85% das profissões necessárias até 2030 ainda nem foram criadas.

Portanto, o avanço e crescimento tecnológico podem oferecer aspectos tanto positivos como negativos.

Acredito que uma palavra importante nesse contexto é adaptação, ao nos permitirmos acompanhar as evoluções sem aquela ideia de que "no meu tempo era assim", pois o nosso tempo é o presente, usufruindo aqui e agora.

Obrigada por acompanhar o Jornal do Juvevê e a coluna de Psicologia Vida Plena Psi, até a próxima semana.


Cláudia Ducci Hartmann Psicóloga CRP 08/37672 duccihartmann@gmail.com @psi.claudiaducci


Futuro: 85% das profissões do mercado em 2030 ainda não existem - O Libera

55 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page