top of page
  • Foto do escritorJornal do Juvevê

Mais um calote


Essa eu também só ouvi falar do caso, não conheço o personagem.


Consta que o moleque chega ao bar com um cachorro, um desses malvados, não sei se doberman, pitbull, rottweiler, não sei. Amarra o dog na grade lá fora, pede uma... pede duas... sempre indo beber lá fora pra cuidar do cachorrão.


Casa cheia, muita gente pra Dionísio dar atenção e o malandro pede mais uma.


Dito e feito, sai o malandro na surdina levando o cão na coleira, sem pagar, sem dar boa noite.


Nosso amigo botequeiro que já manjava o cidadão percebe a evasão e, sabendo onde ele mora segue o caminho, encontra-o lá perto da antiga agência do Bradesco.


- Ei, volta aqui, tem que pagar a conta.

- Não pago e se vier pra cima solto o cachorro.

- Não tenho medo de nada nem de ninguém.

O cara solta o cachorro e dá o comando.

- Ataque.

O pet corre até o Dionísio e... pede carinho.

- É, não vai ter jeito, vou ter que voltar e pagar.

Frustra-se o pseudo treinador, domador, ilusionista, encantador... sei lá como se chama o cara que doutrina os pets. Lembrei, adestrador.


Dizem que quem mais conta essa história é o próprio malaco que vem em dias diferentes dos meus.


E, hei Thomas Jeferson, antes que você diga que o caloteiro sou eu como fez me zoando no primeiro artigo sobre o “calote mal fadado”, deixo claro que só crio gato e nunca criei cachorro em Curitiba.


Watson

33 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Bêbados

bottom of page