top of page
  • Foto do escritorJornal do Juvevê

A importância do diagnóstico psicológico


O que é diagnóstico?


A palavra diagnóstico tem origem grega e etimologicamente “diagnōstikós” origina-se da junção de “dia” que significa por meio ou através de e “gignósko” cujo significado é conhecer.


Portanto, diagnosticar significa identificar, conhecer, trazer à superfície e mais do que isso proporcionar conhecimento e novas possibilidades a quem sofre prejuízos de ordem física ou psicológica.


O Psicólogo pode diagnosticar?


Existe a crença de que os Psicólogos podem apenas levantar hipóteses diagnósticas, sob o risco de adentrar em uma seara que não lhe pertence e que caberia exclusivamente a classe dos médicos ou dentistas.


A Lei 4.119/1962, regulamentou a profissão de psicólogo no Brasil e autoriza em seu artigo 13, §1º (em vigor até hoje):

“Constitui função privativa do Psicólogo e utilização de métodos e técnicas psicológicas com os seguintes objetivos: a) diagnóstico psicológico”


Sendo assim, os Psicólogos estão autorizados por Lei a realizar diagnósticos, inclusive utilizando como fundamento CID-10 ou DSM-5 TR.


O Conselho Federal de Psicologia (CFP) por meio da Resolução nº 06/2019, fornece as orientações necessárias à elaboração de documentos escritos produzidos por Psicólogos no exercício profissional.



Para que serve o diagnóstico psicológico?


A Psicologia é constituída por várias abordagens ou linhas teóricas que embasam o trabalho profissional, como por exemplo a Psicanálise, o Behaviorismo e a Terapia Cognitiva Comportamental.


Ressalto que não há uma melhor do que a outra, são apenas maneiras distintas de entender o ser humano e trabalhar as suas questões no ambiente terapêutico.

Há vertentes na Psicologia contrárias ao diagnóstico, entendendo que o mesmo serve para rotular e estigmatizar a pessoa e que optam por conduzir o acompanhamento psicoterápico de outras formas.


Por outro lado, há vertentes como a terapia cognitiva comportamental, por exemplo, que defendem a sua importância, com os argumentos de que o diagnóstico além de libertador, proporciona a possibilidade de receber o devido acompanhamento, o autoconhecimento frente a inúmeras situações enfrentadas ao longo da vida, a percepção dos gatilhos que ocasionam determinado comportamento, o atendimento por uma equipe multidisciplinar orientada para tratar especificamente a pessoa.


Na opinião da Neuropsicóloga Tainá Siqueira Thies inscrita sob o CRP 08/37375:


“Entendo que há muitas vertentes que questionam a importância de um diagnóstico psicológico, uma vez que a pessoa é muito mais que um sintoma ou um nome. Entretanto, nomear o conjunto de sintomas, na minha experiência, ajuda o paciente a dar significado para uma experiência muitas vezes abstrata, angustiante e excludente. Quando colocamos um nome para o conjunto de sintomas gerando uma identificação na sua história, o paciente tem um vislumbre de compreensão, acolhimento e ressignificação de algumas de suas crenças. Além disso, o diagnóstico serve, especialmente, a indicar os melhores caminhos para a intervenção a partir do perfil de cada um. Na Neuropsicologia, o diagnóstico é um resultado de um processo de conhecimento de forças e fraquezas para o entendimento de qual o perfil de cada um, possibilitando o entendimento do melhor encaminhamento para as dificuldades daquele paciente em específico, além de demonstrar caminhos de aprimoramento daquilo em que o paciente é muito bom. Por fim, no caso de crianças e adolescentes, entender o perfil neuropsicológico e o diagnóstico nos permite fazer a intervenção correta ampliando os horizontes de desenvolvimento.”


Daí a importância de um diagnóstico bem feito, realizado por profissional capacitado que preencha os requisitos necessários para a função, conhecendo não apenas a teoria e os testes cabíveis a cada situação, mas também procedendo com o necessário acolhimento para com a pessoa que o recebe, bem como com a sua família.


Recebendo um diagnóstico


Ao receber o diagnóstico a pessoa passa por um processo de luto, com as mais variadas fases: negação, raiva, barganha, depressão e aceitação.


A pessoa muitas vezes entende que deixa de ser quem era antes do diagnóstico e passa a lidar com uma situação completamente diferente e desconhecida, todavia recebe um nome para acomodar o que antes eram dúvidas diante dos comportamentos até então sem explicação.


Nesta semana nos deparamos com a revelação da cantora Sia de 47 anos em um podcast, sobre a descoberta do diagnóstico tardio do transtorno do espectro autista.


“Estou no espectro e estou em recuperação, e tal - há muitas coisas. Por 45 anos, eu pensei…tenho que colocar meu traje humano. E somente nos dois últimos anos eu me tornei totalmente, totalmente eu mesma.”


Em um desabafo emocionado sobre a mudança em sua vida após o diagnóstico, ela afirmou: "Ninguém jamais poderá conhecê-lo e amá-lo quando você estiver cheia de segredos e vivendo com vergonha. Quando finalmente nos sentamos em uma sala cheia de estranhos e contamos para eles nossos segredos mais profundos, e todo mundo junto ri junto com a gente, não nos sentimos como pedaços de lixo pela primeira vez em nossas vidas.”


Uma vez realizado um diagnóstico há uma direção e o consequente entendimento das razões pelas quais determinados comportamentos ocorreram durante a vida. Pode-se encarar como um passo rumo a aceitação e libertação, não apenas de quem foi diagnosticado, mas de uma família e até mesmo seus descendentes.


E quanto a você, qual a sua opinião a respeito do assunto? Você acredita na importância do diagnóstico psicológico?



Obrigada por acompanhar o Jornal do Juvevê e a coluna de Psicologia Vida Plena Psi, até a próxima.




Cláudia Ducci Hartmann

Psicóloga CRP 08/37672

@psi.claudiaducci


Revisão Mauricio Ducci Hartmann


Referências






125 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1 Comment


Guest
Jun 02, 2023

A psicologia em seus variados aspectos trazem uma gama de benefícios e muitos dependem dos fatos como graus maiores ou menores conforme reais necessidades que acontecem ao ser humano dependente muitas vezes de uma recuperação através da terapia indicada pela alta psicologia que deve levar a uma recuperação eficiente.

Like
bottom of page