top of page
  • Foto do escritorJornal do Juvevê

A economia a gente vê depois!!!

A política do #fiquemcasa está cobrando seu preço: Inflação!


Carne, arroz, produtos de limpeza, eletroeletrônicos, roupas... tudo mais caro! Por que? Lei da Oferta e da Procura: governadores e prefeitos mandaram ficar em casa: a fábrica não produziu, o pequeno comércio não vendeu, trabalhadores perderam seu emprego .... a produção caiu.



Em paralelo, o governo federal, preocupado com as pessoas impedidas de trabalhar e gerar sua própria renda, estabeleceu o Abono Emergencial. Nada mais justo do que transferir renda para as pessoas mais atingidas pela “emergência sanitária do vírus chinês”.



Em outras palavras, o sistema econômico recebe recursos, as pessoas pagam por comida, agasalho e moradia, mas a produção de bens e serviços cai.



Naturalmente o tecido produtivo é complexo, a análise não pode ser linear; mas se você refletir um pouco vai entender: a produção diminui, a renda é mantida!



Você tem dinheiro circulando, mas não tem produto para ser consumido! A produção está suspensa, ou repleta de “restrições sanitárias”.



E não foi só aqui, no mundo todo os preços estão subindo, o desabastecimento está aumentando. Por quê? A maioria dos governantes resolveu aderir ao protocolo internacional do #Fiquemcasa, a economia a gente vê depois.



Claro! Governantes têm seu salário garantido; políticos eleitos e funcionários públicos, também; o mesmo para aposentados e pensionistas. Grandes empresas têm fôlego financeiro para longos períodos de baixo faturamento, e/ou têm acesso a crédito barato. É bonito ficar em casa “sinalizando virtude”, pedindo Coco Bambu pelo Ifood, interagindo com amigos em reuniões virtuais e metendo a boca em quem não dá ouvidos à mídia tradicional, cuida de saúde, mas sai de casa[i]!



E quem vende pano de prato na esquina durante o dia para comprar a marmita do jantar? E o pequeno e médio comerciante? E o dono de uma pequena empresa de produtos limpeza, uma confecção, um restaurante? E a dona de um centro de estética? Ou a organizadora de eventos? Ou ainda o pequeno empreiteiro de obras? Esse pessoal parou suas atividades, quase completamente. Alguns trabalharam escondidos! São negacionistas, não acreditam no vírus. Acreditam, mas saem trabalhar e cuidam da sua saúde. Pior seria passar fome! Ou então, depender da ajuda de terceiros. Pessoas de bem trabalham, produzem, sustentam a si e a seus filhos. Para os outros, basta esperar ajuda do governo!



Entenda: a produção não apenas diminui, o sistema produtivo se desorganizou! Quando a atividade econômica começa a se recuperar falta matéria prima, falta insumos, falta aço, falta chip,... os preços estão subindo.



E por que isso acontece? Inflação é o fenômeno econômico que ocorre quando a oferta de produtos, bens e serviços, é menor do que os recursos financeiros disponíveis para sua aquisição: Mais dinheiro para comprar menos produtos, a principal consequência disso é: preços sobem.



Explicando na atual situação: por um lado, governadores e prefeitos limitaram ou quase proibiram a produção e do outro lado, políticas públicas de incentivo diminuíram as taxas de juros, tomar empréstimo ficou mais barato; aumentaram os auxílios financeiros; aumentaram o dinheiro em circulação. O aumento da oferta monetária, sem a contraprestação de aumento na produção, leva ao aumento de preços.



Novamente, esse aumento de preços não é linear. Onde há mais concorrência, é mais difícil encontrar compradores dispostos a pagar mais; em situação de monopólio o único vendedor do produto tem mais espaço para aumentar preços. A desorganização da produção atinge de forma desigual os agentes produtivos.



Mesmo com essas dificuldades estruturais e as decorrentes do #fiqueemcasa, mesmo em face de todo o sofrimento das camadas mais pobres da população, a economia brasileira mostra sinais de recuperação e têm boas perspectivas de crescimento. Em especial, o agronegócio “carregou nas costas” a economia brasileira! Afinal, fica difícil proibir soja de crescer e gado de pastar. Se comparada a outras economias dos países mais desenvolvidos, novamente, nosso povo e nossos empresários mostram sua força e resiliência: o PIB, Produto Interno Bruto deve crescer 4,7% agora em 2021 e a taxa de inflação deve encerrar o ano em 5,9%[ii] . Isso é maravilhoso perto de outros países[iii][iv].



E isso mostra que se não fosse #fiquemcasa, nosso povo estaria vivendo muito melhor, trabalhando mais e produzindo mais. E a inflação não estaria novamente atormentando a vida dos mais pobres.



E a doença? E a emergência sanitária? E o “lockdown é necessário”, e o “o choro é livre[v]”?



Até a OMS reconheceu não ser possível deixar todo mundo em casa[vi][vii] . Lamentavelmente, pessoas morreram, algumas nem disso foi[viii][ix] ; outras deixaram de viver, trancadas em casa! E a inflação, voltou!



Esse artigo expressa a opinião da autora – Ana Paula Mussi Szabo Cherobim.

7 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page